segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Governo Ditatorial de Getúlio Vargas.

O Governo Ditatorial
Conforme as regras constitucionais, o mandato presidencial de Getúlio Vargas terminava em 1938.
Aproximando-se da data das eleições presidenciais, teve início a campanha eleitoral. Getúlio fingia que respeitaria as eleições e entregaria o poder. Enquanto isso, preparava um golpe de Estado para permanecer na presidência da República.
Em fins de setembro de 1937, o governo noticiou que o serviço secreto do Exército tinha descoberto um perigoso plano comunista, chamado Plano Cohen, para destruir o regime democrático. Na verdade, tratava-se de uma farsa tramada pelo próprio governo, com a ajuda dos integralistas. Então, em nome do combate ao “perigo comunista”, Getúlio Vargas decretou o estado de guerra, pretendendo o maior número possível de adversários.
No dia 10 de novembro de 1937, Vargas ordenou o cerco militar ao Congresso Nacional e impôs o fechamento do Legislativo. À noite, em cadeia nacional de radio, anunciou a outorgar de nova Constituição para o país, substituindo a Constituição de 1934. Iniciava-se, desse modo, o governo ditatorial de Vargas, que ficou conhecido como Estado Novo.
Durante esse período, vigorou no país o chamado estado de emergência, que autorizava o governo a invadir casas, prender pessoas, julgá-las sumariamente e condená-las. Getúlio Vargas concentrava em suas mãos os mais amplos poderes. Seus atos não podiam sequer ser examinados pela Justiça. Estavam acima do “bem e do mal”.
Os estados brasileiros perderam sua autonomia política. Os governos estaduais foram entregues a interventores de confiança do presidente. Em comemorações públicas realizadas em todas as capitais, as bandeiras estaduais foram queimadas para simbolizar que o federalismo estava morto.
Os partidos foram extintos e as eleições democráticas foram suspensas. As greves e as manifestações contrárias ao governo estavam proibidas pela polícia.
A polícia política, comandada por Filinto Müller, perseguia milhares de cidadãos, prendendo, torturando e matando.
O Estado Novo e a Segunda Guerra Mundial

De 1939 a 1945, o mundo foi abalado pela Segunda Guerra Mundial. Dois grandes grupos de nações se enfrentavam: de um lado, as potências do EIXO (Alemanha, Itália e Japão); do outro lado, as potências aliadas (lideradas pela Inglaterra, Estados Unidos e União Soviética).
Getúlio Vargas procurou manter o Brasil em posição de neutralidade e, com isso, tirar proveito do conflito mundial para obter vantagens econômicas para o país. Em seu ministério, havia tanto simpatizantes das potências do EIXO (como o ministro da Justiça Francisco Campos) como defensores das potências aliadas (como o ministro do Exterior Oswaldo Aranha).
Pracinhas brasileiras
A partir de 1941, o Brasil começou a fazer acordos internacionais para apoiar os Aliados. Mas, em troca de seu apoio, o governo Vargas conseguiu arrancar dos Estados Unidos grande parte do financiamento para a construção da Usina de Volta Redonda (obra de grande importância para a industrialização do país). De sua parte, o Brasil comprometeu-se
a fornecer borracha e minério de ferro para os Aliados e permitiu que militares norte-americanos fossem enviados para bases militares instaladas no nordeste.
A Alemanha logo reagiu à cooperação do Brasil com os Aliados. Entre fevereiro e agosto de 1942, submarinos alemãs torpedearam e afundaram nove navios brasileiros, matando mais de 600 pessoas. A agressão militar nazista provocou indignação nacional. Multidões se reuniram em várias capitais pedindo guerra a vingança contra os alemães.
Em 31 de agosto de 1942, Getúlio declarou guerra às potências do Eixo. E, aos poucos, o Brasil começou a preparar um plano para o envio de soldados brasileiros aos campos de batalha.
Em 1944, partiram para lutar na Itália as primeiras tropas da FEB – Força Expedicionária Brasileira. Comandada pelo general Mascarenhas de Morais, a FEB deslocou para a Itália mais de 25 mil soldados, que participaram de diversas batalhas como as de Monte Castelo, Castelnuovo, Collechio e Fornovo.

2 comentários:

Emiliane Oliveira disse...

eesa pesquisa foi muito boa muito bom conteudo.esta de parabens para que escreveu isso.

Emiliane Oliveira disse...

eu queria receber mais conteudos sobre getulio vargas se puderem por favor me mandem.